Friday, August 08, 2008

Nota de pé-de-página (3)

A questão dos judeus com as Escrituras residia no facto de eles serem fiéis depositários das palavras de Deus.
Em parte por esse privilégio, séculos depois na Idade Média iriam criar a Cabala (o Kabbalah ), que é genericamente a Tradição, tudo quanto receberam dos seus antepassados. Explicações, máximas, rituais, mistérios.
Porém, antes de tudo isso, que se constitui como filosafia mística, muito anterior ao refúgio da cultura judaica após o ano 70 A.D. nas margens do Eufrates ou em Jamnia, os judeus receberam de Jeová as Escrituras.

Porém, ao exame das mesmas sobre o Messias, preferiram estabelecer um corpus filosófico esotérico para os iniciados. Antes, muito antes dos Talmud e Midrash, os Targums e os 613 mandamentos, Jesus Cristo afirmou-lhes «Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam », João, 5, 39
Com objectividade, o apóstolo Paulo perguntava, na base das vantagens do ser judeu, quando escreve a Carta aos Romanos( 3,1,2): «Qual é logo a vantagem do judeu?(...) Muita, em toda a maneira, porque, primeiramente, as palavras de Deus lhe foram confiadas ».
Todos os acontecimentos da História Judaica vieram, antes e depois de Jesus Cristo, a dar razão a tal facto. Asseguraram tanto na História Bíblica como na pós-Bíblica - como gostam de dizer os historiadores do judaismo- a relação especial de Deus com o povo judeu.
Este povo é único no mundo e tem como história fundacional livros sagrados, pertencentes ao canon da Bíblia Sagrada, do Velho Testamento. Bastaria isso para fazer dele um povo importante, mas acresce ainda que Deus não lhe confiou apenas a história da relação única Consigo, na dimensão do Sagrado, mas também fê-lo depositário da Sua Palavra Sagrada.
Paulo coloca os privilégios nesse plano das vantagens que implicam em absoluto responsabilidades.
Responsabilidades tais que se mantêm e se reganham mesmo quando os judeus se convertem a Jesus Cristo. Fazemos aqui uma menção a uma oportuna recentíssima declaração da Aliança Evangélica Europeia sobre o Evangelho e os Judeus, segundo a qual - e citamos ipsis verbis - «Achamos deplorável que se usem enganos ou coerção no evangelismo(dos judeus), no entanto rejeitamos a noção de que é enganoso que os seguidores de Jesus Cristo que nasceram no povo Judeu deixem de se identificar como Judeus (e cita-se Romanos,11,1) ».
Com efeito, Deus não tem rejeitado o Seu Povo, independentemente da profética e histórica não aceitação do Messias de Israel em Jesus Cristo por parte dos Judeus.