Wednesday, April 05, 2006

A Peste

Cidades felizes hoje já não existem, porque cada nova manhã pode trazer em si o pesadelo. Nova Iorque, a 11 de Setembro acordou radiosa, mas a luminosidade do céu sobre a Downtown escondia os pássaros prateados da morte.
O homem, individual ou colectivo, não pode cometer a temeridade de afirmar o absoluto de uma manhã feliz. Há uma atmosfera de ameaça no ar.
La Peste anda no ar, nas notícias, nas mentes dos cidadãos, nas peripécias do mundo. A Peste, quer dizer o terror do sofrimento e da morte, a enfermidade, o exílio numa cidade que pode fechar-se de quarentena, a separação das famílias.
O escritor Albert Camus quando escreveu o romance «La Peste», insistiu no livro inteiro com esta mesma ideia da separação da família, na prática «não há outra coisa senão homens sozinhos no romance».
O escritor baseou a sua obra sobre um facto moderno, real que ocorreu durante os anos 1941 e 1942, quando uma grande epidemia de tifo fez enorme devastação na Argélia, fornecendo o local exacto para o romance - a cidade de Orão-. Pensa-se que o número dos contaminados tenha atingido os 255.000.
Na Idade Média, a Peste teve sempre uma relação com os aspectos escatológicos da religião, a humanidade ornava-se com gravuras, pinturas, palavras quase sempre baseadas no conceito de castigo dos Céus. No ano de 1348 « no mês de Agosto, viu-se sobre Paris uma estrela, na direcção do Oeste, muito grande e muito luminosa» - escreveu alguém, dando a esta visão um sentido premonitório. E foi a chamada Grande Peste de 1348.
A Morte, depois do século XIII, deixaria de ter uma imagem ideal, quase de parábola de Lázaro levado ao seio de Abraão pelos anjos, morte serena, e passou a mostrar-se através de cadáveres decompostos, descarnados, pestilentos. De tal forma este tipo de morte pestífera impressionava a Europa, que nas paredes dos próprios templos figuravam danças macabras. O homem dessa época estava dominado pela angústia.
O mundo está hoje dominado por essa mesma angústia. Calígula, na peça de Camus, «descobriu» que os homens morriam e não eram felizes. As pestes mortíferas não estão assim tão adormecidas no ventre do Mal, nas possessões do deus deste Século - o Diabo-, não podemos esquecer-nos que La Peste tem hoje outros nomes: Sars, Ébola, Sida, Gripe Aviária...
E que faz o homem religioso, que tem maiores responsabilidades do que qualquer outro? Contenta-se, como diria o padre Rieux de «La Peste», com o visitar Deus ao domingo.

2 comments:

Ana Maria said...

Querido João desculpa esta insistência da minha parte em publicares na lista os teus textos evangélicos mas estas mensagens que escreves devem ser lidas por o máximo de pessoas e a lista pode servir como um fio condutor para além do nosso país, não achas?
Força na palavra de Deus há quem a procure desesperadamente.
Amém e que Deus te Abençoe Abundantemente.
Abraço Amigo João.

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,