Monday, May 08, 2006

A sarça que não cessa

Entre urzes e pedras as rotinas
pastoreio, minha vara e meu cajado
o chão levantam, ruminam
como se tivessem as ovelhas
na boca palavras intangíveis


Agora olharei a sarça que se abre
numa visão esculpida no arbusto
que se abre ao lume
que treme ao vento
a sarça onde só o fogo arde


Lanço de longe o olhar
para o crepitar do silêncio
Está Deus a tecer a sarça
no seu lume rendilhado
como nas mãos invisíveis?


Está a sarça a tecer o divino
sinal que o Senhor envia
ao vegetal indigno


Doem-me os olhos
nas cicatrizes da sarça
mas olho e a minha alma
se alumia, olho e tanto milagre
acende nos meus olhos
os cristais da alegria.

4-2004

1 comment:

Ana Maria said...

Aléluia! que Deus te ilumine e obrigado por este momento espiritual.

um jinho