Sunday, March 22, 2009

Nota ao texto "Salmo 121 Uma Superabundância"

Observação do meu amigo dr.Rui Miguel:
«Cumprimento-te e saúdo-te pela análise enriquecedora e múltipla (literária, psicológica, histórica e cultural, um pouco retórica também) do Salmo. Lembro-me de ter lido, embora me não lembre onde, que os montes aos quais o Eu declara erguer os seus olhos poderiam ser alusão a ídolos pagãos erigidos nos altos pelos vizinhos dos Israelitas e Judeus e também por estes (ver livros de Reis e Crónicas), e que de quando em vez um rei temente a Deus mandava destruir. (...)
Que dizes? »

- Rui Miguel Duarte ( http://www.neaktisis.blogspot.com/)
Amigo Rui Miguel, interessante essa tua hipótese de abordagem com contextualização na história da idolatria pós-mosaica e na própria tradição litúrgica dos judeus/congregações judaicas.
A linha de hermenêutica a seguir, na explanação do Salmo 121, não é estanque. Na mente do salmista que criou este cântico, pode bem ter havido também a alusão crítica, diríamos hoje subliminar, aos idolos dos altos, aos ídolos-postes, da idolatria israelita que considero pós-mosaica.

Os montes no ideário teológico e poético dos judeus, segundo o Livro das Orações, o Siddur (que significa ordem), representavam por outro lado, o lugar por onde passa o Amado, que vem chegando (na súplica dessa oração pela ordem sequêncial disposta no livro).

Há também quem ligue hermeneuticamente este salmo à intervenção miraculosa de Deus no campo de batalha que levou os egípcios a fugir, na idade contemporânea, digo década de 60, aquando da célebre Guerra dos 6 dias. Esses inimigos modernos seriam montes a rodear o pequeno espaço de Israel.

2 comments:

rui miguel duarte said...

João Tomaz,

Muito grato pelo comentário ao poema dedicado a Demóstenes, que a lenda (ou história?) descrevem como de má dicção e que venceu a deficiência discursando nas praias com seixos na boca, tendo-se tornado o vigoroso de verbo e ideia, incansável, eloquente e artista orador que a posteridade celebrou, campeão da luta contra o imperialismo macedónio de Filipe II (pai de Alexandre Magno). A "força (sthenos) do povo (demos)" é o significado em grego do seu nome, a Coroa é a honra dada pelos Atenienses pelos bons ofícios prestados à pátria e que defendeu num discurso com esse nome.
A voz de pedras será alusão natural aos seixos que o moldaram, é dureza da prova e da formação, mas transcende-se para a própria natureza da eloquênca, dura quando necessária.
E não posso deixar de agradecer pelo eco ao comentário que fiz à tua análise do Salmo 121. Fica mais do que claro que a "hermenêutica não é estanque". O texto bíblico pode ser polissémico (como outro literário) e nem por isso menos divinamente inspirado. Trata-se de poesia.
Deus, quando fala, nem sempre é absolutamente "estanque" nem óbvio. Por vezes, deixa claramente para nós, munidos dos artefactos e códigos de hermenêutica humanos e do Espírito, o trabalho de ler, de interpretar, de descobrir.
E de nos deixarmos interpenetrar pelo texto e sua mensagem (no caso vertente, a súplica ansiosa e esperançada).

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,