Monday, March 16, 2009

Pré-Publicação: Salmo 121 Uma Superabundância (II)


No Salmo 121 há vários diálogos, do autor(viajante/peregrino) consigo próprio, do autor com Deus e, depois, de uma terceira Pessoa que entra no discurso do Salmo, quando deixamos de ler o pronome pessoal eu e passamos para um ele.

Nos versos 1 e 2: Elevo...me...o meu ; depois o verso 3, onde uma segunda pessoa fala da terceira: Não deixará vacilar o teu pé: aquele que te guarda não tosquenejará.
O diálogo, por assim dizer, estabelecer-se-ia assim: o Eu(a 1ª pessoa): -Elevo os meus olhos... De onde me virá o socorro?; o Tu(a 2ª pessoa):- Ele (o Senhor, a 3ª pessoa) não deixará vacilar o teu pé.
Esta voz que o salmo introduz, do ponto de vista da inspiração bíblica, só pode ser a voz do conforto do Espírito Santo a revelar o cuidado do Deus de Israel; testemunhando a verdade de que «O Senhor é quem te guarda».

Uma abordagem psicológica
A história de uma alma, do tipo psicológico da personagem do Salmo, o modo como cruza os olhos físicos pelas problemas e provações e os olhos espirituais, dirigidos a Quem pode ajudá-lo.

Olhar para os montes, donde se pode inferir o olhar para as dificuldades emergentes, em síntese, o olhar para dentro de si próprio, e o olhar para o Senhor. Um dia, lemos que o salmo 121 é o dos olhares. Joseph Ratzinger, já Papa, disse-o doutra forma, paralelamente acerca do 123: «O Salmo, que acabamos de proclamar, encerra -se numa troca de olhares: o fiel eleva seus olhos ao Senhor e aguarda uma reação divina, para colher o gesto de amor, um olhar de benevolência».
Compreendemos que o olhar do salmista(peregrino) seja lançado para as dificuldades, os montes que o esperam, e que terá de passar, caminhos estreitos, precipícios engolidores embora de beleza atraente, até chegar ao Templo em Jerusalém, às festas sagradas.
Ora é aqui perante a história de uma alma que nos colocamos.
Quando olha para os montes, que estavam colocados entre a sua tenda e o Templo, parece titubear, as estradas eram penosas, corria-se o risco de uma quebra da vontade e, até, da solidariedade com os outros irmãos quando juntos subiam a Jerusaém, esse olhar era para fora.

O olhar para dentro da própria alma, o tornar a si na linguagem de Jesus sobre o Filho Pródigo, era o olhar galvanizador. O olhar para dentro de nós próprios vai buscar alento à alma, ao que a alma sabe sobre o nosso Deus e Pai, que o salmista conhece ser o: Senhor que fez o céu e a terra.

2 comments:

rui miguel duarte said...

Caro João Tomás,

Cumprimento-te e saúdo-te pela análise enriquecedora e múltipla (literária, psicológica, histórica e cultural, um pouco retórica também) do Salmo.
Lembro-me de ter lido, embora me não lembre onde, que os montes aos quais o Eu declara erguer os seus olhos poderiam ser alusão a ídolos pagãos erigidos nos altos pelos vizinhos dos Israelitas e Judeus e também por estes (ver livros de Reis e Crónicas), e que de quando em vez um rei temente a Deus mandava destruir.
Esse erguer de olhar seria o primeiro clamor por socorro, embora rápido e vão. O Eu estaria a pôr em contraste esses ídolos, com os quais os ouvintes dos salmos seus contemporâneos estariam familiarizados, e o Deus criador do céu e da terra, o único que merecia a confiança.

Que dizes?

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,