Sunday, October 18, 2009

Ferida, poema de Rui Miguel Duarte

“Espera-O uma coroa de espinhos
para secar o sangue sobre a fronte, espera-o
a fome de um chicote
que as costas lhe há-de devorar”

J. T. Parreira, “No Jardim do Gêtsemani”


A fome batia uma litania
vai e vem sobre o dorso como tambor
O látego batia em sintonia
com a contagem ritmada
da voz do decurião
uma, duas, três, até quarenta
e com os gritos
de dor do condenado

E latejava as nossas cabeças
dentro de cada dentada das fauces
do chicote estampido vai e vem

Acirrámos os dentes
em aprovação do castigo
e dos gritos do condenado
as costas devoradas
as gotas de sangue salientes
eram o nosso prazer e satírico canto

Mas não deixávamos de pensar
que a obra do carrasco
devia ficar na discrição
recôndita duma caserna romana
longe da vista e do coração
e ensaiámos apartar o olhar
desviá-lo do esbatimento do seu rosto
em busca da geometria da dança
de um bando de pássaros que por ali voasse
ou admirar as coríntias colunatas do pátio
onde decorria o evento

Mais tarde esperava-o uma coroa
sobre a cabeça de espinhos
para o sangue na fronte lhe secar

E escorria das nossas cabeças

E depois ainda
esperava-o ser fixado na cruz
poucos de nós ficaram para ver
preferimos meter-nos pelas cruzes das ruas
pés apressados para o recolhimento e a piedade
pois esperava-nos a Peschah em casa
ao lume do assado do cordeiro,
o único a quem hoje se devia secar o sangue

Mas o vai e vem do flagelo batia em nós
e a voz de comando do decurião e os gritos de dor
o sangue porfiava em correr de nós
como mulheres nos dias da impureza
os panos não o estancavam
banhámo-nos mas a água
solidária tingia-se de escarlate

O chicote a coroa a voz do decurião e o sangue éramos nós
o que tínhamos nós com esse contumaz blasfemo
de rosto deformado condenado?

Caímos no chão

Éramos nós os condenados
de costas devoradas e frontes sangradas
à beira do vale onde a morte se dissimula de sombra

Por fim acordámos

Esse sangue
penetrava-nos até ao coração
e corria agora neles
lavados

17/10/09

Rui Miguel Duarte

6 comments:

Dr. Brissos said...

Muito bom. A cultura greco-romana por detrás do poema é bem evidente, assim como o conhecimento bíblico-judaico. Parabéns ao Rui, que o escreveu, e ao João, que o editou.
Um abraço a ambos,

Brissos Lino

rui miguel duarte said...

O quadro é de Dali, se não me engano? Fica excelente.
Obrigado pela publicação.
Um abraço, João, e vamos andar por aqui, como diz o Dr. Santana Lopes (mas com maior proveito e utilidade!).

P.S.: Engano meu, mas devia ler-se no fim: "corações". Alterei para singular, não acertei as concordância nos versos seguintes, mas o plural fica melhor ("cabeças" como precedente).

J.T.Parreira said...

O Papéis na Gaveta é que agradece.
O quadro é de Dali, A Cruificação de Cristo.

Maria José said...

Parabéns Rui!
Sem dúvida profundo, complexo e estimulante!
O novo poeta é bem vindo! Um tema abordado de forma muito intensa e sentida...corajoso! Gostei.
Maria José Pereira Cóias

freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

rui miguel duarte said...

?